sexta-feira, 24 de junho de 2011



Sinceramente temos um órgão tão frágil, colorido e cheio de habitantes que nem nos damos conta, carregamo-lo todos os dias, é um peso sem importância, mas um órgão bem importante, habitantes que ao início nem eram nada, mas que agora fazem a diferença, habitantes que nos enchem o coração de uma forma tão doce e simples, habitantes que nos conseguem fazer sorrir nos piores momentos da nossa vida, habitantes com quem lutamos diariamente para sorrirem, habitantes que amamos acima de tudo e todos, habitantes que nos são tudo, digo isto por actos cometidos, palavras ditas e ódios tidos, por zangas, e por conflitos, somos pessoas, sim todos têm isto, todos cometem erros, mas errar é humano e perdoar faz parte, não temos propriamente de ser todos os melhores amigos do mundo é óbvio, mas saber perdoar é uma coisa que todos têm de saber, no fundo nascemos todos da mesma maneira qual é a cena?


« Não guardes rancores, ignorar é mais fácil. »

6 comentários:

Cláudia Nascimento M. disse...

Gostei Cheila!
:)
A cena aqui é que nem todos entendem que para habitar em nós, precisam de nos conquistar!

Cláudia Nascimento M. disse...

Pois, e depois quando conquistam, alguns, deitam fora...

Cláudia Nascimento M. disse...

Mas depois também temos que ver que existem pessoas especiais e que jamais nos farão tretas dessas!

Cláudia Nascimento M. disse...

ya :D O que vale é que nem tudo é mau!

Cláudia Nascimento M. disse...

Obrigada tu, por seres assim!

MAILSON FURTADO disse...

Realmente habitantes são muitos...

basta a gente conhecê-los...