sábado, 14 de maio de 2011


Este mês faz um ano que estávamos chateados, que só sabia chorar, perdi o controle que tinha em ti e o controle que tinha com o meu coração, era a pessoa mais desprotegida à um ano, o meu coração à um ano estava ainda mais amachucado do que o que está agora, estava completamente partido, sem qualquer tipo de concerto, ninguém saberia concertar a não seres tu, foram os piores quatro meses da minha vida, que pareciam mais que 40 anos, sofri, chorei e as saudades permaneciam, sentia a tua falta como nunca senti a de ninguém, sentia-te a pessoa mais distante, sentia-me a pessoa mais estúpida, estava super incompleta, e não sabia viver sem ti, viver longe de ti, depois de tantas juras, promessas e actos deixaste-me sem aviso.
Hoje recordei tudo isso, deu-me vontade de chorar, mas consegui conter-me, agora sim não te vou deixar partir, não te vou deixar sair, eu sem ti não sou nada e já me tinha percebido disso, apesar dos poucos momentos ultimamente são muitas as palavras, e muito grande e intenso o sentimento, já não me consigo imaginar sem ti, sem as tuas palavras, os teus abraços, sem tudo o que nos une, sem tudo o que me ensinas-te e te ensinei, aquilo que já viveste eu já vivi, aquilo que já passaste eu já passei, e sempre que precisares eu cá estarei, sempre pronta para ti, tal como tu sempre estiveste para mim (sem contar com o que se passou no passado), tens sido aquilo que ninguém foi, és e serás sempre o meu melhor amigo, e a pessoa de quem mais me orgulho, não há palavras para te agradecer tudo aquilo que passámos, tudo aquilo que vivemos, tudo aquilo que revelámos um ao outro, tudo aquilo que ajudas-te e tudo aquilo que me deste, entregaste-me o teu coração mesmo sabendo que te podia magoar, agora estou completa porque te tenho a ti, apesar de tudo o que me deixa mal tu não o tens feito e tens-me levantado sempre, obrigada por tudo.
« Se não arriscarmos uma segunda vez, nunca voltaremos e ser felizes. »

Sem comentários: