sábado, 5 de novembro de 2011

Há momentos em que nos apetece deixar “tudo” para trás, esquecer um passado, esquecer um presente, e viver um resto daqui para a frente, novo lugar, nova gente, sem esquecer um bom ambiente, nunca novo coração, mas sim uns novos sentimentos, não necessitamos de ir sozinhos, poderemos levar alguém que ao nosso lado consiga fazer-nos bem, e a levar, levaria apenas uma pessoa, apesar de querer levar sempre mais uma, era uma e mais nenhuma, amar como hoje, ser feliz como amanhã, amar cegamente, descobrir e ficar eternamente, seria liberdade, uma boa liberdade, longe da falsidade, longe da podridão, longe do lugar onde todos querem o mesmo, onde todos fazem o mesmo, e onde são praticamente todos o mesmo, onde quase ninguém tem vida própria e fala da vida dos outros, onde temos sempre duas vidas, a nossa e a que teimam em dizer que temos, onde nos chamam de melhores amigos, de namorados, de amigos, só por chamar, onde nos dão beijos apenas por dar e onde nos usam e deitam fora, CHEGA, estou farta desse mundo, farta dessa gente, por mim saía, ia embora, daquele local onde vejo sempre as mesmas pessoas todos os dias, e onde vejo falsidades a todas as horas, onde escondem coisas que dizem ter contado, onde pensam demais e ouvem demasiado, onde sonham ter um príncipe encantado mas no fundo têm um gajo disfarçado.

2 comentários:

Cláudia N. Matos disse...

Continua a escrever princesa! Estás cada vez melhor!

Cláudia N. Matos disse...

Há des lá chegar <3