sábado, 7 de janeiro de 2012

É difícil descrever o que vai aqui dentro, todas as noites as lágrimas caiam, por tristeza, saudades ou dor, todas as noites adormecia a pensar, “não chores, não chores” pesava isso comigo mesma, por vezes quanto mais pensava mais chorava, já não conseguia estar bem, já não conseguia ser feliz, já nada me corria bem, depois as saudades, e a melancolia da perda de alguém, tudo perdurava em mim, e me fazia chorar, mas hoje, agora neste momento, rebento de felicidade, por ti, por mim, pelos momentos, pelos abraços, pelos sorrisos, por tudo e mais alguma coisa, não só me fizeste ver tudo de outra forma como me “abris-te” os olhos, as lágrimas onde estão? Converteste-as em sorrisos, o teu calor deixa qualquer pessoa bem, dás-me bastante conforto, o conforto necessário para me sentir segura de mim mesma, segura de tudo o que for decidido no meu coração, de tudo quilo que eu pensar. És TU e essa tua mania de me por a sorrir, de me por bem, és TU e APENAS TU que me fazes bem, és TU e só TU que me mudas o humor. Posso dizer que há milhares de milhões de pessoas no mundo, mas garanto-te que não há nenhuma, nenhuma mesmo, como tu, com um coração de ouro. Se a perfeição existe, és a prova dela.

1 comentário:

Cláudia N. Matos disse...

continua a escrever, adoro-te :)