sábado, 7 de maio de 2011




Entrei lentamente na água gélida, tentando adaptar-me aquela temperatura que me fazia vibrar os mais pequenos ossos do corpo, era 00:00h e eu estava no mar, a tentar acalmar o meu coração, tentar que ele apagasse todas as memórias que tinha de ti, tentar que ele perdesse a vontade de bater mais depressa por ti, tentar que o meu corpo quando te visse não tremesse por todos os lados, o meu coração estava desvairado, parecia querer parar, querer ser limpo, mas estava um temperatura que congelava tudo, excepto o meu grande sentimento por ti.
Quando dei por mim, já estava longuíssima da areia, estava a perder o pé, não tinha como chamar alguém, pois ninguém me ia ouvir, comecei a tentar nadar de bruços, olhei e vi um rapaz na praia, dei às mãos foi ai que ele saltou para dentro de água para me ajudar, foi quando me agarrou e vi no seu rosto uma grande lágrima, provavelmente estava ali na praia a chorar, chegamos à areia e agradeci-lhe, perguntei o que se passava pois ele tinha estado a chorar notava-se, foi quando ele disse que tinha perdido alguém que amava mais que tudo, contou-me a história dele e perguntou-me o porquê de eu estar no mar a estas horas e eu disse-lhe é exactamente que era pelo mesmo motivo que ele.
Provavelmente nunca mais o iria ver na minha vida, ou então iria vê-lo noutra noite que as saudades passem para além do coração e se tornem em mera loucura, como esta noite.
Mais um dia, mais uma manhã onde só me apetece dormir e não voltar a acordar, mais uma manhã onde a chuva se quer por no lugar do sol tal como no meu coração, caminhei até à praia, fui ver a forte ondulação rebentar nos rochedos, enchi-me de coragem e fui até ao mar, porque o tempo já estava bom, apareceu novamente o rapaz na praia, sai da água e fui ter com ele, estivemos a falar, e ele levou-me a casa, estivemos a falar, e fomo-nos conhecendo melhor.
Foram passando, meses, muitos meses, e nossa amizade só crescia, havia aquela confiança onde só nele a depositava, havia aquele à vontade que não havia com mais ninguém, era como um melhor amigo, era um rapaz extraordinário, como não existe, e a confiança não parava de crescer, esta amizade nunca vou deixar para traz, dependo disto, pois foi de tanta amizade que os meus problemas conseguiram passar para segundo plano.

« Ás vezes da maneira mais estranha conhecemos as melhores pessoas da nossa vida, as pessoas que nunca nos vão deixar para traz. »

história inventada, baseada em alguns sentimentos verdadeiros.

4 comentários:

andreiadiogomartins, ♥ ! disse...

fg, o:
escreves tanto :b
hah, mas está muito bonito os textos *.*

martxica disse...

gosto tanto daquilo que escreves princesa. transmites tanto $:

Martinha disse...

amo aquilo que tu escreves, e amei mais uma vez ! :$

Martinha disse...

Eu já ando há quase 2 anos praticamente a lutar por ele, e com outras problemas, ele não ajuda, torna-se bastante comlicado s:
Obrigado fófinha :$